Armário do Brega

Nando Reis é brega?

Aviso aos fãs de Nando Reis. O autor deste blog considera brega um ELOGIO!

 

Quando Nando Reis saiu dos Titãs, eu não acreditava que ele pudesse brilhar em carreira própria tanto quanto brilhava no grupo. Estava redondamente enganado!

 

Nando Reis é um excelente compositor e cantor. Suas músicas têm forte conteúdo narrativo e uma subjetividade exemplar. Por conta disto, ele é o escolhido de hoje para incrementar o quadro Armário do Brega.

 

Vamos aos precedentes bregas de Nando Reis:

 

- Ele compôs e gravou uma música com Wando, chamada Minhas Amigas. Dá uma olhada só no refrão: “Amigas, que eu trago no meu coração/ que nunca me deixam sentir solidão”.

- Ele também já dividiu palco com Wanderléia.

- Ele compôs um dos rocks mais bregas de todos os tempos: Sonífera Ilha. Vem cá, colar o ouvido num radinho de pilha pra curar dor-de-cotovelo? Essa foi brega demais!

- Ele também gravou My Pledge of Love, canção de The Joe Jeffrey Group que recebeu versão em português cantada por Reginaldo Rossi, chamada Baby, Uma Doce Ilusão.

- Ele também regravou o sucesso Fogo e Paixão, de Wando, aquele do “meu iaiá, meu ioiô”.

- E não sou eu quem está dizendo. Marcos Paulo Bin também já observou que DVD mostra Nando Reis flertando com o brega.

- E agora, Nando Reis também é cronista de futebol. Tem coisa mais brega do que cronista de futebol? E ele tem grande estilo! Veja só um trecho do artigo O jogo como ele é (bem rodrigueano, outro brega), na Coluna Boleiros que ele escreve no Estadão toda quinta-feira:

 

“Às vezes, sinto que tudo que é dito sobre o futebol não vai além de uma especulação, é quase mentira. Só quem está lá dentro entende o jogo como ele é. E ponto”.

 

- Ele mesmo já se declarou “totalmente brega”. Veja só um trecho de uma entrevista de Nando Reis para o site Ego:

 

“Se brega são as canções populares, ou as que falam muito de amor, então eu sou totalmente brega. Falo muito de sentimentos, gosto de música romântica. Mas essa estigmatização, como se fosse uma coisa de má qualidade, com pobreza, é inadmissível. Eu não acho que os bregas sejam assim, nem muito menos eu. Minha música pretende ser popular, eu aspiro à comunicação. Se isso for provocar uma identificação, uma expansão... Está ótimo, sou brega mesmo”.

 

- E para finalizar, veja só este video no youtube no qual Nando Reis fala de sua paixão pela música brega e rejeição ao preconceito do mundo roqueiro.


É, Nando Reis, às vezes eu sinto que tudo que falam sobre música não passa de mera especulação, é quase mentira. Só quem está lá dentro, entende a música como ela é. E ponto.

 

Parece que Nando Reis não cabe mais nas roupas que cabia.

Nem eu.

E você, ainda?

Chico Buarque é brega?

Chico Buarque é brega? Se você duvida, vamos aos precedentes:

- Ele já gravou com Zezé di Camargo e Luciano. Chico e a dupla gravaram juntos Minha História, versão de Chico para a canção italiana Gesùbambino de Dalla e Palotino. A música fala de uma criança cujo pai “partiu não se sabe pra onde”. A mãe, “com o olhar cada dia mais longe”, ninava seu filho “cantando cantigas de cabaré”. Ou seja: mulher abandonada e criança órfã de pai vivo. Quer mais brega do que isso?

- Ele já gravou com a Jane, da dupla Jane e Herondy, do clássico Não se vá. Jane canta com Chico a canção Com açúcar, com afeto. E tem mais: Jane deu uma bronca pública em Chico. Segundo ela, Chico não a respeita mais, porque ela é vista como cafona. Tem coisa mais brega do que não querer ser brega?

- Ele já foi gravado por Fafá de Belém. Ela gravou um disco inteirinho só com músicas de Chico. As canções de Chico ficaram belíssimas na voz da intérprete de “Abandonada por você”. Ah, e também perderam a falsa áurea de chique...

- Ele já compôs Sob medida. É uma canção na qual uma mulher diz para seu amado “Sou perfeita porque, igualzinha a você, eu não presto”. Seja sincero: você já ouviu alguma frase mais brega do que “eu não presto”? E a mulher ainda se auto-intitula “traiçoeira e vulgar, sou sem nome e sem lar, sou aquela”. E pra completar, ela ainda diz pra ele: “Você tem o amor que merece”. Precisa comentar?

- Ele já compôs um monte de músicas batizadas com nomes de mulher. Quer coisa mais brega do que música com nome de mulher? Pois vamos à coleção: Carolina, Teresinha, Yolanda, Rita, Rosa, Angélica, Bárbara, Beatriz, Cecília, Januária, Lígia, Lola, Luísa, Renata Maria, Sílvia, e muitas outras. É brega demais! Em tempo: brega pra mim é elogio!

 

- Ele já compôs A Banda. Eu não sei não, mas tem coisa mais brega do que ficar à toa na vida, “pra ver a banda passar cantando coisas de amor”?

 

- Ele já compôs Atrás da Porta. Que, aliás, poderia muito bem ser chamada de Atrás da Fossa. Porque eu vou dizer uma coisa, “ô musiquinha dramática, visse!”. Essa história de que “quando olhaste bem nos olhos meus, e o teu olhar era de adeus”, é muito brega.  Ainda mais aquela coisa humilhante de se “agarrar nos teus cabelos, só pra mostrar que ainda sou tua” é pura dor-de-cotovelo. Não tem como escapar!

 

- Ele já gravou Geni e o Zepelin. Pense numa prostituta de lixo. Eu disse lixo, e não luxo. Pensou? Pois Geni é pior. E essa história de “Joga pedra na Geni, Ela é feita pra apanhar, Ela é boa de cuspir, Ela dá pra qualquer um, Maldita Geni” é um dos refrões mais bregas de Chico. Aliás, a frase “ela dá pra qualquer um” é muito baixa...

 

- Ele já gravou Teresinha. Essa é demais. Uma mulher e seus três amores: um romântico tradicional, um bêbado machista e um homem simples e comum. Quem vocês acham que ela escolheu? O terceiro! O único que a olhava como uma mulher real, sem idealizações. Veja só o que ela disse: “Foi chegando sorrateiro, e antes que eu dissesse não, se instalou feito um posseiro, dentro do meu coração”. Chico, nessa você se superou. Essas rimas simples e previsíveis são demais. É simplesmente um bregão!

 

Pois é, depois destas revelações eu sugiro aos empresários investirem no seguinte título: Bartô Galeno canta Chico Buarque. Iria vender milhões...

 

AVISO AOS FÃS DE CHICO: PARA O AUTOR, “BREGA” É ELOGIO.

Renato Russo é brega?

Renato Russo é brega?

 

Depois de Caetano Veloso e Maria Bethânia, o terceiro cantor prestes a sair do Armário do Brega é Renato Russo. Ele é brega ou não é? Vamos aos precedentes:

 

- Ele já gravou uma versão brasileira de uma canção dos Menudos. Menudos? Aqueles caras do “Não se reprima”? Eles mesmos. Não acredita? Pois a canção Hoje a noite não tem luar, que puxa o CD Acústico MTV da Legião Urbana, é uma versão de Hoy me Voy para México, dos Menudos. E Dado Villa-Lobos ainda disse que “Ele queria incluir uma música dos Menudos a cada disco da Legião”. E o refrão ainda lamenta que ele está sem ela numa noite sem luar. Ou seja: Dorzinha de corno básica...

 

- Ele já gravou um cd inteirinho só com baladinhas românticas italianas, como La Solitudine, Scrivimi, Lettera, Dolcissima Maria e E Tu Come Stai. Quer saber o nome do cd? Equilíbrio Distante. Brega até no nome...

 

- Ele já gravou uma canção que diz: “É preciso amar como se não houvesse amanhã”. Quer mais brega do que isso? O amor é brega, como disse Cazuza (Outro que vai passar pelo Armário do Brega).

 

- Ele já gravou uma canção chamada Faroeste Caboclo, na qual um tal João de Santo Cristo perde a mulher para seu maior inimigo. Pense num corno! E no final, morre todo mundo: ele, sua ex-mulher (Maria Lúcia) e seu algoz (Jeremias). Pronto: mais um caso de chifre que acaba em morte!

 

- Ele compôs uma canção (Os Barcos) que é uma baita dor-de-cotovelo de fazer inveja a qualquer Reginaldo Rossi. Veja só alguns versos: “Você diz que tudo terminou/ Você não quer mais o meu querer. Sentiu o drama do rapaz? Pois veja esse outro trecho, que ele canta gritando, quase botando as tripas pra fora: Eu vejo você se apaixonando outra vez/ Eu fico com a saudade e você com outro alguém”.  Seja sincero: se você não soubesse que esta era uma canção do Legião Urbana, você diria que se trata de uma letra de rock? Diria nada. No mínimo acharia parecido com alguma balada romântica de José Augusto ou Fábio Jr.

 

- E pra terminar vejam só a música que ele mesmo considera como sua obra-prima, aquela que ele teve o maior orgulho de ter composto: Giz. Segundo a canção, sabe o que ele fez com um pedaço de giz? Adivinhem. Desenhou toda a calçada, rabiscou o sol que a chuva apagou. O amor não é lindo? O amor não é brega?

 

Pois é, alguém ainda duvida que o grande poeta do rock brasileiro sempre foi um bregueiro enrustido? Pena que ele não está mais entre nós para se defender. Mas eu tenho certeza que ele concordaria comigo. Russo, onde quer que você esteja, saia logo do Armário do Brega, assuma de vez a sua breguice, mesmo do além.

 

Link permanente para este post: http://contosbregas.zip.net/arch2006-07-01_2006-07-31.html#2006_07-31_11_45_10-8564639-27

Armário do Brega - MARIA BETHÂNIA

 

Mais uma que está prestes a sair do Armário do Brega: Maria Bethânia. O que você acha? Maria Bethânia é brega ou não é?

 

Vamos aos precedentes:

 

- Ela já gravou Negue, um verdadeiro clássico da dor-de-cotovelo, aquele mesmo que diz mostrar “a boca molhada e ainda marcada pelo beijo” de quem negou o ex-amor, ou seja, de quem “cuspiu no prato que comeu”.

 

- Ela já gravou Ronda, outro clássico da dor-de-corno, aquele mesmo que afirma que vai ter “cena de sangue num bar da avenida São João”, caso o amor esteja “bebendo com outras mulheres, rolando dadinhos, jogando bilhar”.

 

- Ela já regravou É o amor, de Zezé di Camargo e Luciano. Precisa falar alguma coisa?

 

- Ela já gravou Atiraste uma pedra, um supra-sumo da fossa, que lamenta quase chorando: “atiraste uma pedra no peito de quem só te fez tanto bem”.

 

- Ela já gravou um cd inteiro só com músicas de Roberto Carlos. Aliás, essa foi a gota d’água. Contra fatos não há argumentos.

 

Pois é, Maria Bethânia, você nunca me enganou. Você é muito brega! Mas não fique triste, isto vindo de mim é um elogio! Nós todos amamos a sua breguice. Só torcemos para que você a assuma de vez e grave um cd inteiro com músicas de Bartô Galeno e Lindomar Castilho. “Só lembranças” e “Muralhas da Solidão” ficariam muito massa na sua voz!

Armário do Brega

Retirado de http://blogs.ya.com/ladina/Pessoal, hoje eu vou estrear um novo quadro aqui nos Contos Bregas. Chama-se Armário do Brega. Nele, eu vou desmascarar os artistas considerados chiques, mas que no fundo são mais bregas do que se possa imaginar. Vou começar por Caetano Veloso. Ele é brega ou não é?

 

Caetano Veloso é brega?

 

Vamos aos precedentes:

 

Ele já gravou Coração Materno, de Vicente Celestino, no disco da Tropicália.

Ele já cantou Pare de Tomar a Pílula com Odair José, no Festival Phono 73.

Ele já gravou Sozinho, de Peninha.

Ele já gravou Você não me ensinou a te esquecer, de Fernando Mendes.

Ele já gravou um cd inteiro com músicas latinas super bregas (Fina Estampa).

Ele já cantou Um tapinha não dói.

Ele já compôs músicas com refrões do tipo “Você é linda” e “Gosto muito de você, leãozinho”.

Ele já disse a frase “Nada mais Z do que um público classe A”

 

Então, precisa dizer mais alguma coisa? Alguém ainda duvida que Caetano Veloso é brega? Aliás, nem ele mesmo duvida disso. Só não tem coragem de dizer. Fica defendendo os artistas bregas, gravando músicas bregas com violino, mas não tem coragem de assumir que ele mesmo é super brega. Sai do Armário do Brega, Caetano! Assuma, de uma vez por todas, a sua breguice nossa de cada dia!

 

E você, leitor, o que acha? Ele é brega ou não é?

[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


QUEM SOU EU

Jornalista,escritor, bancário, potiguar, 29 anos

Meus Livros


    Visitante número: